Ciro Lilla: o prazer de saborear um bom vinho

“O vinho é uma bebida única”, afirma o enófilo Ciro Lilla, proprietário da Mistral, uma das maiores importadoras brasileiras de vinho, e autor do livro Introdução ao mundo do vinho. “Tem glamour e, o que é interessante, pede companhia. É comum ver uma pessoa num bar tomando uma dose de destilado. Com o vinho é diferente, ele pede companhia, conversa, então sempre se bebe junto. Além de fazer bem à saúde, não estufa; é, indiscutivelmente, o acompanhamento ideal para a refeição pelo seu teor alcoólico e pelas características de tanino e de acidez”.

Entusiasta da bebida, ele ressalta que identificar um bom vinho é como identificar um bom perfume, uma boa roupa… “O bom vinho é aquele que harmoniza o tanino com a acidez, não se sente demais nem um nem outro. Uma dica: todo grande vinho tem assinatura, que é o tempo que ele fica na boca depois de ingerido. Se ficar pouco tempo na boca, é fraquinho; se ficar mais e deslizar suavemente, é sinal de que é um grande vinho”.

O brasileiro está acordando para o prazer de saborear um bom vinho. Entretanto, o consumo ainda é pequeno comparado com o de outros países: dois litros por habitante por ano, sendo que na Argentina e em Portugal, por exemplo, o consumo anual é de 30 a 40 litros per capita. Cerca de 65% do que é consumido aqui vem do Chile e da Argentina, são sobretudo uvas Malbec eCarmenère. Quando se fala em branco, a uva Chardonnay continua dominando. E, por incrível que pareça, apesar de nosso clima quente, cerca de 85% do vinho que se toma no Brasil é tinto. “É um contrasenso colocar o vinho tinto em um balde com gelo e tomar a bebida gelada”, observa Ciro Lilla. “Ele deve ser servido levemente refrescado, entre 16º e 20º C. Outro pecado é tomar o vinho branco estupidamente gelado, como alguns fazem. Ele deve ser servido numa temperatura de cerca de 12º C.”

O enófilo confirma: “Pode parecer frescura, mas o tipo de copo interfere no prazer de saborear a bebida. Uma das indicações básicas é que o copo tenha um pé que possibilite segurar na haste e não no corpo, já que o aroma do vinho é um de seus grandes prazeres e qualquer cheiro na mão, especialmente cigarro e perfume, passa facilmente para o copo. Ele deve ter um formato de tulipa que feche em cima para concentrar o aroma perto do nariz, de maneira que o buquê do vinho possa ser sentido. Vinhos tintos e encorpados vão melhor em copos grandes. Para os brancos, o copo menor é mais indicado, pois evita o aquecimento”.

Como em geral é um acompanhamento para a comida, a dica é: vinho leve com prato leve, vinho encorpado com prato encorpado. “Se você colocar um peixe no vapor com um vinho encorpado, não vai sentir o sabor do peixe. Se colocar um vinho branco levinho com um cabrito temperado, não vai sentir o gosto do vinho. É preciso harmonizar. Como peixe geralmente é mais leve, acompanha melhor um vinho branco e a carne, sendo mais pesada, combina melhor com vinho tinto. Alguns peixes de paladar muito acentuado combinam melhor com vinho tinto. Já algumas carnes brancas, de frango, de porco e de peru, vão bem com vinho branco. Além disso, alguns brancos são mais encorpados que os tintos, como os grandes Chardonnays, e tintos são mais leves que os brancos, como o Beaujolais. O Pinot Noir, por sua vez, também vai muito bem com peixes, pois é um vinho mais leve. É bom lembrar que o tanino e a bolhinha do espumante cortam a gordura, então um prato gorduroso, como o leitão, combina tanto com vinho com bastante acidez e tanino como com espumante”.

“A diversidade é a característica mais interessante do vinho”, conclui Ciro Lilla. “A variedade de tipos é única. Além disso, a geografia e, principalmente, a história do vinho são fascinantes, acompanham o ser humano desde antes de Cristo. Ler sobre vinhos é importante, pois ajuda na escolha. Todo mundo pode apreciar, não existe um ‘nariz’ especial, todos têm condições de curtir e gostar de um bom vinho. Agora, quem estuda, se dedica e bebe com atenção aproveita mais”.

Leia sem moderação

Dicionário do vinho, de Rogério de Campos e Mauricio Tagliari
O vinho – Uma paixão para todos, de Mariana Gil Juncal e Alfredo Terzano
Os segredos do vinho, de Marnie Old
Vinho – Como comprar, escolher e degustar, de Matt Skinner
Superdicas para entender de vinho, de Lis Cereja
A história do vinho, de Hugh Johnson
Viagem ao mundo do vinho, de Ivan Miranda de Araujo
Comida e vinho – Harmonização essencial, de Maria José Santana eJosé Ivan Santos
Tintos e brancos, de Saul Galvão
The Oxford Companion to Wine, de Julia Harding e Robinson Jancis
Os segredos do vinho – Para iniciantes e iniciados, de José Osvaldo Amarante
Hugh Johnson’s Pocket Wine Book 2011, de Hugh Johnson

Matéria da revista Platero n. 25/novembro: http://www.revistaplatero.com.br

Produção da ML Jornalismo para a Livraria Martins Fontes

Deixe um comentário

Arquivado em Revista Platero

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s