Monteiro Lobato: uma paixão nacional

Seu talento conquistou gerações seguidas de leitores. Quantos brasileiros pegaram o gosto pela leitura através de seus livros e até hoje o elegem como o maior escritor infantil de todos os tempos. Monteiro Lobato, o genial criador dos divertidos e inesquecíveis personagens do Sítio do Picapau Amarelo, compreendeu como poucos a cabeça das crianças. E que riqueza de imaginação! A curiosidade sem-fim da boneca Emília, brejeira e insubordinada como o próprio autor, que sempre foi franco e direto em suas opiniões; as explicações do cultíssimo Visconde de Sabugosa; as aventuras de Pedrinho e Narizinho e suas incursões pelo universo dos seres encantados, fábulas e lendas mitológicas; os causos misteriosos contados por Tia Nastácia; os interessantes serões de Dona Benta, em que ela recontava clássicos da literatura de um jeito muito sedutor… Tudo em sua literatura contribui para envolver e cativar.

Autêntico, com uma visão aguçada dos problemas políticos e econômicos do país, o escritor não relutava em criticar e denunciar o que estava errado. Essa firmeza era uma de suas características marcantes, inclusive quando se posicionava no campo da literatura. Combatia veementemente, sem jamais perder o senso de humor, as regras de ortografia, por exemplo, qualificando o uso exagerado de acentos como imbecilidade pura. Sobre a vendagem de livros no Brasil, comentou: Se o livro não se vende é porque não presta, isso em português claro. Os bons livros vendem-se muito bem. Os maus não, os leitores não compram, recusam. Eu acho que essa situação está na perfeita normalidade. Também se recusou gentilmente, por coerência e fidelidade a si mesmo, a aceitar a indicação para fazer parte da Academia Brasileira de Letras. (…) Mal comportado que sou, reconheço o meu lugar. O bom comportamento acadêmico lá de dentro me dá aflição

José Bento Monteiro Lobato nasceu em Taubaté, interior de São Paulo, em 18 de abril de 1882. Cresceu numa fazenda e queria ser pintor, pois desenhava muito bem. Devido à oposição dos pais, entretanto, formou-se em Direito e acabou canalizando sua veia artística para a escrita, transportando para a literatura suas vivências como fazendeiro, como diplomata e até como leitor, ao fazer versões infantis de obras clássicas. Começou escrevendo para o público adulto, e já no livro de contos inaugural, Urupês, imprimiu um forte cunho nacionalista, introduzindo termos e tipos peculiares – como o Jeca Tatu – para falar das coisas de sua terra. Mas foi com o público infantil que ele obteve total ressonância. As crianças dizem que eu escrevi pouco para elas, que eu deveria ter escrito muito mais. E eu creio que sim. Eu perdi tempo escrevendo para gente grande, é uma coisa que não vale a pena, disse ele na última entrevista que concedeu a um radialista, dois dias antes de falecer por causa de um derrame, em 4 de julho de 1948.

Desde 2007, sua obra vem sendo relançada pela Editora Globo com projeto visual totalmente reformulado e ilustrações de diferentes artistas gráficos. Entre as novas publicações, encontra-se a extensa série de títulos infantojuvenis, como Viagem ao céu; Reinações de Narizinho; Caçadas de Pedrinho; O Picapau Amarelo; A reforma da natureza; Memórias da Emília; Emília no País da Gramática; Histórias de Tia Nastácia; Aventuras de Hans Staden; O Minotauro; Os doze trabalhos de Hércules; O poço do Visconde; Dom Quixote das crianças – puro encanto, em qualquer idade – e outros.

“A fantasia e o humor, uma homenagem à inteligência dos leitores, assim como o coloquialismo da linguagem, estão na base da ampla aceitação da obra lobatiana”, considera a escritora, professora e especialista em literatura Marisa Lajolo. Grande estudiosa de Monteiro Lobato, ela é autora e organizadora de vários livros sobre o escritor, entre eles Monteiro Lobato, um brasileiro sob medida, narrando fatos de sua vida, e Monteiro Lobato livro a livro – premiado com o Jabuti na categoria melhor livro de não-ficção 2009 -, que focaliza toda a trajetória da obra infantil de Lobato, mostrando como ele era sensível às expectativas de seu público e antenado com seu tempo.

Fruto de sua extraordinária capacidade inventiva, a obra de Monteiro Lobato se destaca também pela cuidadosa elaboração. E isso não aconteceu por acaso. Segundo Marisa Lajolo, o escritor era um trabalhador absolutamente incansável, que fazia e refazia os textos, mudava título, tirava capítulo, mexia e remexia em tudo até chegar aonde queria. A identificação com as crianças fica por conta do espírito insubordinado do autor que revolucionou o ambiente de aprendizagem: “Era no sítio que as crianças aprendiam”, ressalta Marisa. “Os livros ‘paradidáticos’ de Lobato nunca se apresentam como ‘parceiros’ ou ‘aliados’ da escola. Os personagens, inclusive, volta e meia dizem que a escola é enfadonha e que o bom é aprender com Dona Benta. Essa irreverência com a instituição escolar estabelece uma cumplicidade com o leitor, que retribui se tornando leitor cativo”.

 

Matéria da Revista Platero, produzida pela ML Jornalismo para a Livraria Martins Fontes

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Revista Platero

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s